Usinas Itamarati, primeira empresa a fazer parte do Pacto

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O Pacto em Defesa das Cabeceiras do Pantanal, movimento lançado em 2015 para recuperar nascentes e conservar rios da maior área úmida do planeta, ganhou um grande reforço. A Usinas Itamarati, produtora de etanol, açúcar e energia elétrica, passa a ser a primeira empresa a fazer parte da aliança que já conta com parceiros como o governo de Mato Grosso, 25 prefeituras da área das Cabeceiras do Pantanal, Consórcio Complexo Nascentes do Pantanal e a ONG WWF-Brasil.

A adesão ocorreu em cerimônia realizada no dia 6 de junho no Palácio Paiaguás, em Cuiabá, durante a Semana do Meio Ambiente promovida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA-MT) e durante as comemorações de um ano do Pacto.

No ofício de adesão entregue a SEMA-MT, a Usinas Itamaratise compromete em promover a troca de experiências em educação ambiental, planejar a recuperação de Áreas de Preservação Permanente (APP) e de nascentes e ainda em participar na elaboração e na gestão do Plano de Bacia do rio Paraguai.

“Nossa empresa tem forte preocupação com o meio ambiente e integrar o Pactorevela esse compromisso. É também uma oportunidade de cuidar das águas que não só alimentam os animais e plantas do Pantanal, mas que nos ajudam a promover o desenvolvimento sustentável de uma região onde vivem e produzem mais de três milhões de pessoas”, afirma Caetano Henrique Grossi, gerente de Meio Ambiente da Itamarati.

Angelo Lima, especialista em Conservação do WWF-Brasil e integrante do Grupo Coordenador do Pacto, comemora a adesão. “Temos que parabenizar a Itamarati. A sua entrada engrandece o movimento e mostra que todos os setores podem e devem trabalhar juntos por um futuro melhor, com mais qualidade de vida para todos e mais produtivo”

Explore
O que as instituições ganham ao assinar o pacto?

O Pacto não arrecada e não arrecadará recursos financeiros específicos para seu funcionamento. Portanto, para alcançarmos os objetivos comuns, cada instituição quando o assina se compromete a usar recursos humanos e financeiros próprios para alcançar os objetivos comuns.